Ah, o guaraná…

30 04 2010

Hoje, pela primeira vez, desde quando eu cheguei, choveu mais forte que o normal, algo para amenizar os 35 graus de temperatura dasemana. O bom é que eu estava no alojamento e não precisei sair pela tarde, aliás, fiz melhor: dormi feito uma pedra. Acho que tava precisando recuperar algumas horas de sono.

Ontem foi aniversario da Mei, uma menina da China e, para comemorar, ela convidou todo mundo para uma festa de diferentes comidas e bebidas típicas – ou pelo menos, que lembre em alguma coisa seu país de origem. Como não poderia deixar de ser, eu e a Marília, outra brasileira, levamos os ingredientes para fazer uma caipirinha, porque mais cedo ou mais tarde esse dia ia chegar. Como não havia cachaça, nem limão haiti, utilizamos vodka e lima española.

Modéstia parte, foi um sucesso, todos aprovaram e até tiveram alguns que aprenderam a fazer. No mais, teve também brigadeiro, rolinho primavera (e outras comidas chinesas que eu jamais poderia reproduzir os nomes), sobremesas romenas, americanas, espanholas e por ai vai. Agora, quero fazer pão de queijo…já até pedi para a minha mãe mandar a receita…não que os bocadilhos daqui não sejam ótimos, mas tem um momento em que tudo que você quer é um café com pão de queijo.

Isso me fez lembrar de uma super decepção. Domingo, teve uma feirinha de comercio justo aqui em Logroño, com algumas comidas, bijuterias, música e outras coisas bacanas. Lá estou eu, dando uma olhada nos produtos, quando de repente me deparo com uma latinha de refrigerante de guaraná “do Brasil”. Apenas 0,80 centivos! Maravilha! Nem tava com TANTA saudade do guaraná assim, mas poxa, nada como tomar um refri da terrinha! O nome do infeliz era “guaranito” e como a lata era toda bonitinha, abri na hora e tomei. Aquilo desceu pior que remédio. MUITO ruim. Como pode? Como dá para errar em refrigerante de guaraná? Fui olhar mais detalhes da lata: “feito na Itália”. Ah, claro, guaraná do Brasil e feito na Itália…tinha tudo para dar errado mesmo. Tive que jogar o resto fora…

Mas tudo bem, o domingo foi salvo outros motivos, já que na pracinha perto do alojamento, um grupo de pessoas de uma associação riojana montou uma barraquinha para vender paella (com carne de coelho e frango). Eu sei que parece horrível, e os mais sensíveis que me perdoem, mas tava uma delicia. Aos domingos, como não temos as refeições no alojamento, ficamos por ali mesmo. Com 2 euros você ficava com um prato bem servido de paella mais um copinho de vinho. Uma alegría só!

Houve também a competição de bicicletas, a 50ª Vuelta Ciclista a La Rioja, e tinha conseguido as credenciais para fotografar. Foi muito bom para aprender como as coisas funcionam, pois eu nunca tinha acompanhado uma corrida de bikes antes, então no começo fiquei um pouco perdida, mas no fim tudo deu certo. Até consegui mandar algumas fotos para um site de ciclismo da Colômbia (tinha uma equipe colombiana competindo). Na chegada, estavam mais outros seis fotógrafos (todos com Canon, por sinal) e é muito engraçado ver como eles se comportam, seja reclamando do lugar que haviam reservado para a gente, seja trabalhando. Todos se conheciam e comentavam sobre outras corridas e outras coberturas. Puxei papo com um que trabalhava para o jornal La Rioja, uma dos maiores por aqui; perguntei como fazia para tentar arrumar alguma coisa por lá nesses meses; ele me passou uns nomes e agora que terminei de passar meu currículo para espanhol (com a ajuda de uma das professoras do curso, óbvio!), vou encaminar para eles. Não custa nada, não é mesmo?

E nesse sábado descobri um lugar ótimo para ver shows, chama-se Biribay Jazz Club. Se fosse em Pinda, se chamaria Óbvio. Na noite, tocaram a banda española Mutagenicos e a inglesa The Kits. Foi bem bacana, os espanhóis eram todos engraçados e subiram no palco com uma túnica laranja, sabe-se lá por qual motivo. Já os ingleses do The Kits que, no inicio,pareciam todos certinhos e finos, fizeram uma apresentação contagiante e descontrolada! Conhecia duas músicas só, porque tinha escutado um dia antes na internet, mas mesmo as desconhecidas para mim foram ótimas.É o que eu digo, como os ingleses conseguem ter bandas de rock tão boas.Mesmo aquelas que, aparentemente, você não dá nada, te surpreendem de alguma forma. Com certeza vou voltar no Biribay mais vezes. Tava precisando ouvir música ao vivo.

Semana passada aconteceu outro evento bacana também. Dia 23 de abril é o dia do livro (não me lembro se é no Brasil também) e aquí a tradição mais antiga e, em geral, mais ao sul do país é presentar alguém com um livro e uma flor, mas isso já não é mais tão comum. Agora o que acontece é que todas as livrarias ficam com todos os libros com 10% de desconto, durante a semana. Algumas até montam uma barraquinha para fora da loja, para chamar mais a atenção das pessoas. E para completar, nas compras acima de 15 euros, você leva uma garrafinha de vinho de La Rioja. É óbvio que eu fui dar uma olhada por lá e saí com dois livros que, além de gostar do resumo de quarta capa, tive que acreditar na publicidade e nas várias edições já lançadas de cada um para decidir levá-los para casa.

Comecei o curioso “La Mecánica del Corazón”, do francés Mathias Malzieu, que conta a história do menino Jack, que nasce com um coração danificado, e tem que substituí-lo por um relógio (não é uma história real, tá?). Mas em função do mecanismo frágil, ele precisa seguir três regras: 1. Não tocar nas agulhas do relógio, 2. Controlar sua raiva, 3. Nunca se apaixonar. É claro que ele se apaixona por uma linda dançarina española e parte da Escócia em busca dela por toda a Espanha. Bem bonitinho. O bacana desse livro é que foi escrito pelo cantor da banda francesa Dionisios. O nome do livro também é nome do sexto álbum do grupo e vai virar filme em breve, nas mãos do cineasta Luc Besson. Para quem quiser saber mais, segue o link da obra: http://www.lamecanicadelcorazon.com

Anúncios




Os verbos, as cidades e a primavera.

20 04 2010

A lingua espanhola é muito parecida com a portuguesa. Com certeza, isso é verdade, mas por outro lado, as semelhanças podem ser traiçoeiras, pois te confundem um bocado. As aulas aquí estao um pouquinho mais complicadas por conta disso, se você se lembra de como eram bacanas as conjugaçoes verbais da escola….pode imaginar em espanhol: pretérito perfeito, imperfeito, mais-que-perfeito…e eles vêm de todos os lados, de indicativos a subjuntivos! Maravilha, né? Mas nao tem muito jeito, é sentar e estudar até que isso fique claro.

E por falar em aulas, ontem começaram as classes de gastronomia. As melhores até agora, com certeza! O professor é o simpático Paco, que nao cursou a universidade de gastronomia, o que para mim é um ponto super positivo, já que ele faz isso por prazer. Trabalhava num banco e tinha a cozinha como hobby, depois que se aposentou, passou a trabalhar só com isso. Hoje, ensina outros chefs e participa de concursos gastronômicos pelo mundo.

Aprendemos três pratos: dois salgados (chorizo com batatas e lombo de porco com pimentoes) e um doce (uma sobremesa de pêra com vinho, canela e açucar). E depois de duas semanas, finalmente descobri que cerdo é porco, e nao cervo… “boa, Camila!”. Enfim, depois de tudo pronto, juntamos as mesas e comemos, claro! Tudo estava muito gostoso e espero me lembrar de como fazer depois no Brasil. Hoje tivemos mais uma aula e aprendemos a fazer a famosa paella! huhu

Nesse domingo, algumas brasileiras, uma mexicana e eu fomos visitar a cidade de Burgos, que também está na rota do Caminho do Santiago e fica a umas duas horas de ônibus de Logroño. Apesar do tempo instável (chuva, sol, chuva, sol…) conseguimos caminhar bastante e conhecer a cidade que é uma coisa linda. Entre prédios históricos, um castelo e uma catedral, tirei uma cententa de fotos.

Acredito que a catedral seja o ponto mais conhecido da regiao, além de ser tombada pelo Patrimônio Histórico da Humanidade, a construçao data do século XIII e é GIGANTE. Se eu já achava a Basílica de Aparecida grandiosa ou o Mosteiro de Sao Bento, em Sao Paulo, maravilhoso…nao sei como classificar a Catedral de Santa Maria de Burgos. Cada vez mais vejo que nao sei de nada mesmo…e já me disseram que quando eu for para o Vaticano, aí sim vou ficar impressionada.

Burgos: cenário de filme

De qualquer maneira, sempre tenho um sentimento duplo quando vejo essas construçoes religiosas. Para mim é tudo muito exagerado e ostensivo para um lugar, onde, em tese, deveria ser mais voltado para o lado espiritual do que material. É tudo tao grande e tao rico em detalhes que a sensaçao que dá, para quem esta ali, é de opressao. Você se sente pequeno e insignificante perto de tudo aquilo – talvez, seja exatamente esse o propósito.

Religiao à parte, a construçao é absurdamente linda, de te deixar de pescoço dolorido de tanto olhar para cima. O local passou por algumas restauraçoes ao longo dos anos e possui várias peças expostas, como em um museu, que vao desde roupas e quadros de bispos a manuscritos religiosos.

De resto, as coisas vao bem, já estou planejando as próximas viagens maiores – Barcelona, Paris e Roma – e apesar de todo o tabalho que dá (hospedagem, transporte, horários), é muito empolgante e compensador ver os planos saindo do papel. O lado desesperador é olhar para o guia de viagens que tenho, ver a quantidade de lugares, culturas, festas e história que existem por aí e saber que nao vou poder conhecer tudo, simplesmente pelo fato de que uma vida nao é suficiente para tanto. Quem sabe com um teletransporte? Era tudo que eu queria…

Bom, acho que é isso….agora o tempo por aquí está bem melhor, ou talvez tenha sido eu quem forcei meu corpo a se acostumar com as temperaturas desse lado do mundo. Até porque, caso contrário, teria que descosturar a meia dúzia de blusas regatas que trouxe para me fazer um blusao. Por sorte, nao foi preciso, a primavera está chegando de verdade e ontem tivemos agradáveis 27 graus.

¡Hasta!





Pic nic no parque.

14 04 2010

Nada como um domingo ensolarado para fazer uma comilança coletiva no parque La Grajera, em Logroño. A ideia foi de uma das mais animadas professoras da Universidade, a Inês, que convidou todos os alunos extrangeiros mais alguns conhecidos dela para irmos caminhando ao tal La Grajera. Eis que quando dei uma olhada no mapa…o parque era um tanto longe, mas tudo bem, somos jovens, com cartilagens nos joelhos e tudo mais. Sem problemas! Saìmos às 11h30 da praça do Espolón, no centro, nosso ponto de encontro com os outros estudantes. Eu estava mais feliz que pinto no lixo com a minha mochila nova. Sério, acho que é o meu passado de escoteira frustrada que faz essas coisas comigo, mas as pessoas perguntavam se nao tava pesada ou se eu nao queria que um dos meninos levassem….eu dizia que não, tava super bem! Com várias comidinhas dentro dela, mais a minha camera e algum dinheiro.

Caminhamos por duas horas, entre cidade e caminhos mais estreitos (alguns deles coincidiam com o trajeto do Caminho de Santiago, que passa por Logroño! Fantástico!). E esse vídeo foi feito quando estávamos quase chegando…já um pouco cansadas, com fome e todo o resto. O melhor é o nosso amigo Taku falando em português (“Ôo, lá em casa”). Ele é do Japão e está fazendo algumas aulas de portugues, porque quer aprender a língua e visitar o Brasil um dia…uma simpatia só!

Ao chegar, o pic nic consistia com uma “chuletada”, que sao chuletas de cordeiro assadas na brasa de gravetos. O mais próximo de um churrasco que eu vou chegar nos proximos meses. Foi ótimo, os espanhois que foram conosco eram bem engraçados e espalhafatodos, bem ao estilo brasileiro de festas e reuniões entre amigos. Com muita carne, cerveja e vinho passamos todo o dia no La Grajera, que é incrivelmente bonito, me lembrou um pouco o Horto Florestal em Campos do Jordão, mas tambem tem um grande lago, alguns restaurantes e uma pista de golf. Enfim, é uma super diversao para quem mora por ali. Voce leva a sua comida, estende sua toalha na grama ou nas mesas que existem por lá e pode ficar cantando, dormindo, jogando ou caminhando. Fizemos um pouco de tudo.

Encontramos um tiozão com um super rádio de fita K7. Isso mesmo: fita K7. E estava lá tocando clássicos da música espanhola, com sua garrafa de vodka com caramelo (algo a se provar mais vezes) e sua família. Ficamos um tempo com ele, dançando e cantando. Rolou até um “Macarena”. Muito bom. Depois encontramos uma criança descontrolada que quase nos matou de tanto rir e de tanto correr, pois ela estava super querendo jogar bola e mandar nas pessoas e nós, como bons estrangeiros, entramos na dela. Uma cómedia aquela menina. Tinha um ótimo senso de organizaçao, nos dividiu em grupos e tudo mais. Por fim, quando suas irmãs a chamaram para tomar um sorvete, ela nos disse “Vocês têm um tempo livre agora, podem descansar, depois a gente vai se divertir mais”. Claro que depois disso, fugimos todos para bem longe.

Antes desse dia, teve o sabado (dã!) e o tal Barcelona X Real Madri. Fomos para um bar perto da Universidade para poder assistir a partida. Confesso que esperava mais empolgaçao, falaram tanto desse jogo, mas nao foi tudo isso. Me lembrei daquele episòdio de “Friends” que o Chandler e a Phoebe não querem ajudar a Monica a fazer o jantar de Ação de Graça, então fingem que estão super prestando atenção no jogo de futebol americano. Assim, uma vez ou outra, dão uns berros ou comemoram algum lance para ela pensar que eles sabem do que se trata aquela homarada correndo. Fiz isso em vários momentos. Haha Mas o resultado foi 2 a 0 para o Barcelona. Enfim, a vida continua.

Depois fomos para um dos “bares” do centro da cidade. É engraçado, porque o que eles chamam de bar, para nós é o equivalente a “balada”. É um lugar um tanto pequeno, com uma pista de dança e um balcao que vende bebidas. Fomos a dois desses lugares, pois nao paga para entrar e é o que todo mundo faz até umas 3 da manhã, quando finalmente abrem as “discos”, que dai sim são lugares para dançar de verdade (vai entender…). De qualquer forma, nao duramos até as 3h da manhã, fomos embora um pouco antes, pois ainda teria o pic nic no domingo e ninguem ia acordar. Quem sabe no proximo final de semana… O mais curioso é como todas as pessoas entram encapotadas de roupas de frio, cachecol e tudo mais, depois as tiram quando entram nesses bares, as colocam num gancho perto da entrada e só voltam a pega-las ao sair. Ai, esses europeus, muito civilizados.

Ah, mudando de assunto! Existe um lugar aqui chamado “Gota de Leche” que é um centro cultural para jovens e lá eles tem diversos cursos, espaço para exposiçoes, internet e essas coisas todas. Em maio vai ter um curso de 4 dias de retrato fotográfico! Tô super empolgada! Me inscrevi também em umas noites de praticas de línguas. Funciona assim, eu, por exemplo que falo portugues e quero praticar espanhol e ingles vou conversar com pessoas espanholas ou inglesas que querem aprender portugues. Aì, ficamos metade do tempo falando em uma lingua e metade do tempo em outra. Isso seria no mundo perfeito, né? Mas na real, é uma sala com várias pessoas de paises diferentes que querem praticar espanhol ou ingles…hehe Mas foi interessante, só fui uma vez. No dia, tinha duas brasileiras (eu, inclusive), uma mexicana, tres espanhois, um ingles e um alemão. Uma bagunça só, claro.

Ah, e vou fazer um pedaço do Caminho de Santiago. Digo, um pedacinho. Bem pequeno mesmo. Esse ano é um ano especial para os peregrinos, è um ano jacobeo, mas ainda nao descobri porque. Vou ter aulas sobre a história do Caminho e assim que souber, conto aquí. De qualquer maneira, há muitas comemoraçoes e eventos especiais, por isso vou com um grupo caminhar 22 km, da cidade de San Martín até Logroño. É pouco, mas acredito que será bem bacana. Estou empolgada!

Enfim,…acho que por hoje é só!

¡Hasta!





Que pása en Logroño…

12 04 2010

Entardecer no casco antiguo

Completei uma semana aqui em Logroño e já pude conhecer diversos hábitos e atividades que essa cidade oferece. Toda vez que estou realizando algum deles, penso na hora em escrever aqui depois, mas como a minha memória é um pouco falha, creio que tenho que começar a fazer listas para nao esquecer.

Logo que cheguei, pensava que aqui era como a cidade do filme do Show de Truman, pois tudo parece tão arrumado e organizado que é impossivel nao fazer a relaçao. Entretanto, para a sanidade mental de todos, isso nao é verdade (já estava ficando um pouco assustada). Não sei se estao lembrados, mas havia dito que há bicicletas publicas, que podemos utilizar – mediante a um cartao de acesso. Pois bem, estava eu em plena sexta-feira, extremamente empolgada com a ideia de fazer um passeio de bicicleta por Logroño para conhecer melhor a cidade, e como fazia um dia perfeito, sem nenhuma nuvem, tinha tudo para dar certo. Mas nao foi bem assim.

São 6 os pontos de bicicletas, sendo que um deles é muito perto da minha residencia. Me encaminhei para ele e, para a minha decepçao, nao havia bicis (um pequeno apelido para as bikes) e o ponto estava fora de serviço. Ok, fui até a secretaria de turismo, pegar o mapa que tem os outros pontos, mas tinha quase certeza que havia um outro perto da secretaria, entáo nao teria que andar muito. Ledo engano. O outro lugar era muito mais longe e caminhei bastante para encontrar o mesmo recado: fora de serviço. (Apesar de ter uma bicicleta ali).

Esse foi o momento que pude perceber que Logroño, apesar de ter sido eleita uma das 10 melhores cidades para se viver na Espanha, possui seus lados menos certinhos. hehe Sério, porque aqui, quando voce atravessa fora da faixa de pedestre, até se sente mal…e nao é porque os carros buzinam e te xingam, mas é porque eles param. Eles sempre param.

Entre uma perdida e outra por ai (sempre me encontro depois, tá? tenho uma mapa!), pude caminhar pelas ruas paralelas a avenida principal, onde vivem a maioria dos estrangeiros imigrantes; há muitos árabes, chineses e latinos. Por essas bandas, as casas são um pouco menos “elegantes” do que o resto da cidade.

Na sexta mesmo, fui sair para tirar algumas fotos do Casco Antiguo (acho que escrevi errado no post anterior), que é o centro velho, com a maioria das igrejas e dos tradicionais bares de tapas e pinchos. No caminho, há um semáforo que quando está verde para os pedestres, pode-se escutar barulhos de passarinhos (!) e quando está para ficar vermelho, os barulhos vao ficando mais espassados. Uma fofura sem fim.

Falando em fofura….as crianças dessa cidade sao todas lindas. É incrivel, e toda a moda infantil é no estilo passarela….nada de coisas super coloridas e com bichinhos, mas sim cores neutras e super elegantes. Deve ser dificil ser uma criança mais ou menos bonita por aqui, porque o padrao é alto.

Ah, importante! As comidas. Por aqui, as refeiçoes sao muito cheias de carboidratos e gorduras. Ainda nao perguntei para uma das professoras o porque disso tudo, talvez seja o frio mais intenso ou costumes vindos do tempo de guerra, mas o fato é que pão, batata, ovo e carnes gordas (presunto, linguiça, lombo) são frequentes. Entretanto, nao se vê muitos espanhois gordinhos….maldita genetica. De qualquer maneira, estamos nos virando bem….e o café é bem parecido com o brasileiro! Para a minha alegria… Tomo menos do que no Brasil, porque tambem nao ha euro que aguente…

Estou gostando bastante daqui, as pessoas sao amaveis, pelo menos os estrangeiros e a maioria dos espanhois…porque já levei uns três pitos de uns espanhois enquanto estava por ai….todos desnecessarios, obviamente, mas enfim….é o jeito. =)

Há muitas coisas para contar e vou colocando aqui em breve. Sinto que está dificil escrever com mais fluencia em portugues e nao sei se isso é bom ou ruim, mas peço desculpas. Acho que é porque as palavras e frases em espanhol nos parecem bastante formais, se traduzidas ao pé da letra. Entao, por exemplo, sempre que vou escrever “Acho que…”, penso em “Creo que…”, e outras coisas…e dai começo a trocar tudo e escrever como uma tonta…Logo me acostume e tudo isso passa.

Vou colocar algumas fotos no Flickr hoje…e depois conto como foi o final de semana, com jogo do Barcelona X Madri depois a saída com o pessoal da universidade e o pic nic no domingo.

A saudade do Brasil está começando a bater…

Como uma andarilha





Compras, classes e caminhadas.

7 04 2010

Ontem foi um dia muito feliz, porque depois que nao consegui comprar meu netbook, descobri um super centro de compras e pude encontrar a minha mochila de viagem. Foi a melhor coisa que fiz, pois pelos preços que estavam no Brasil, aqui consigo comprar duas mochilas. Compensou e agora já tenho como fazer minhas pequenas viagens por aqui!

Me empolguei tanto com essa história das viagens que comecei a planejar minhas próximas semanas para onde quero conhecer as cidades que estao mais longe. A principio, para as cidades espanholas proximas vou conseguir ir aos finais de semana, por isso tenho que combinar com o pessoal. Entretanto, para Madri, Barcelona e Toledo tenho que já reservar os albergues. Pretendo fazer isso essa semana! Em maio tem um feriado na sexta, por isso quero ir para Madri para a Fiesta de San Isidro, quando há diversas comemoraçoes e eventos tipicos, como as touradas. E para Barcelona, vou aproveitar um feriado maior no meio de junho para poder ficar mais dias.

Eu e a Universidade ao fundo

Bom, falando um pouco das aulas. Hoje foi um dia muito engraçado, pois ficamos conversando uns com os outros para saber mais de cada pessoa. Falei bastante com os chineses que sao òtimos! Muito engraçados e estao sempre querendo saber mais um pouco da nossa cultura. Quando falei meu nome completo, ficaram abismados com tantos sobrenomes, mas disse que nao era algo tao comum no Brasil (sou, praticamente, uma anormal). E todos os chineses adaptam seus nomes para o espanhol, ou pelo menos, para o lado ocidental. Entao, temos Susana, Amber, Ana…e por ai vai.

Essa é a parte mais bacana de tudo isso, conversar com gente de hábitos e costumes completamente opostos do seu. Afinal, onde conseguiria conversar com chineses?

E para falar um pouco da cidade, aqui há uma preocupaçao enorme com o acesso a deficientes e idosos, as calçadas sao baixas e bem alinhadas, há rampas em quase todos os lugares. Assim é tambem a preocupaçao com o lixo, em especial, o lixo eletronico. Em quase todas as lojas que fui, vi depositos de baterias, pilhas, celulares e etc. Com mensagens do tipo “Nao sou um bobo, eu reciclo”.

No trânsito há também espaço para todos, tem a sinalizaçao para carros, pedestres e bicicletas. E existem as ruas em que o pedestre tem a preferencia, entao, se queremos atravessar em qualquer ponto, vamos atravessar e os carros param. Acho que vou ficar mal acostumada quando voltar a Sao Paulo.

Falando mais um pouco de bicicletas, aqui em Logroño existe uma especie de bikes publicas – algo que lembra o serviço disponibilizado pelo metrô de Sao Paulo. Ha 7 pontos de bicicletas na cidade (Logroño é uma cidade de 152 mil habitantes) e se voce quiser, pode pegar um cartao na secretaria de turismo e utilizar as bicicletas das 9h30 as 18h (depois de abril, com os dias demorando mais para escurecer, até as 21h). Depois as devolve em qualquer um desses pontos. Achei isso incrivel! Vou pega-las aos finais de semana, porque como agora ainda esta um pouco frio, ha pouca procura e podemos ficar com elas todo o final de semana.

Ah, e o frio! Hoje foi o pior dia pois, apesar de no primeiro ter feito 4 graus pela manha, hoje estava garoando um pouco e com muito vento (cerca de 10 graus). Eu, que acreditava que a primavera ja estaria a todo vapor, com tempos amenos….tenho que rever meus conceitos… Só trouxe um casaco (ele esta em quase todas as fotos, ok?), pois nao queria ter que carregar muito peso depois. Hoje, tenho que me arrumar outro. Com certeza.

Acho que já escrevi demais por hoje. Volto em breve. Ah! E sábado tem real Madri X Barcelona. Vamos todos a algum bar para ver pela TV e perceber quao descontrolados sao os espanhois pelo futebol.

¡Hasta!





Os primeiros dias em Logroño.

6 04 2010

Olá,olá!

Consegui um tempinho para escrever um pouco como está sendo a viagem aquí na Espanha. Já peço desculpas se escrever algo errado, porque como o teclado aquí é diferente e eu quero digitar rápido…algumas coisas podem passar.

Cheguei no aeroporto de Madri (Barajas) no domingo e ele é enorme…gigante mesmo. Cheguei no Terminal 1 e para ir ao Terminal 4 e pegar o pròximo voo para Pamplona tive que tomar um onibus gratuito que tem por lá. No aeroporto de Pamplona fui até a rodoviária da cidade para, finalmente, pegar o onibus para Logroño, cidade que vou ficar nos pròximos meses. Todo esses trajetos me tomaram mais de 20 horas…e como nao consegui dormir no voo de Guarulhos para Madri (10 horas) estava um pouco cansada quando cheguei até o alojamento. Para falar a verdade, ainda estou meio lesada da mudança de fusos…comer e dormir sao coisas que nao tenho feito com perfeiçao até o momento, mas uma semana e já entro no ritmo!

Por falar em ritmo, as aulas na Universidade de La Rioja começaram hoje. Ontem, houve uma prova escrita e outra oral para eles saberem em que estagio estamos. Sao 4 turmas: básico 1. intermediario 1, intermediario 2 e avançançado. Fiquei na turma do intermediario 2 e somos por volta de 15 pessoas, entre chineses (a maioria!), australianos, japoneses, franceses, neozelandezes e americanos. Se juntar todas as turmas, acredito que haja umas 50 pessoas.

Todos parecem ser bem bacanas e tem uma grande parte do grupo total que já estava em Logroño há mais meses, por isso se conhecem e sabem mais das coisas – lugares para sair, cidades para conhecer, transporte etc. Isso é muito bom para a gente que chegou agora. Há bastante brasileiros também, por volta de sete, acho. Estou no alojamento com mais duas brasileiras e uma mexicana, que faz outro curso (engenharia) e nao esta nesse grupo. Nosso alojamento tem freiras como diretoras e temos todas as refeiçoes, o que é uma coisa muito boa, porque nao gastamos com isso, mas tem a parte chata tambèm, porque tem horaraio de funcionamento e temos que voltar ateh as 23h. Mas sempre ha exceçoes para festas e finais de semana, entao estah tranquilo, pois elas podem nos deixar a chave. Tambem penso em aproveitar os finais de semana para viajar para outras cidades da Espanha, entao sem problemas tambem….

Ontem fizemos um passeio pelo “casco antiguo” que eh como o centro velho de Logroño. Muito antigamente a cidade era cercada por muros para se proteger de invasores e esses muros estavam delimitando o que hoje é chamado de casco antiguo. Com o tempo, a cidade se expandiu e perdeu-se os muros. De qualquer forma, o casco antiguo tem construçoes MUITO lindas e igrejas centenàrias….ruas muito estreitas que hoje comportam dezenas de bares e lojas pequenas. Os bares sao a melhor parte, é claro! Cada um tem um tipo especial de “pinchos”, que é uma forma de aperitivo servido no palito. Acompanha uma pequena taça de vinho.

Assim, o costume è comer um pincho em um bar (com o sabor que é sua especialidade) e partir para o próximo para experimentor outro. Fascinante, nao? Ainda nao consegui fazer essa saga, mas em breve contarei com mais detalhes e fotos!

Ah, sim, falando em fotos…como ainda nao consegui comprar meu netbook, nao tenho onde descarregar e postar na internet, pois nao eh possivel usar esse computador do alojamento para isso, enfim….jah tirei muitas e muitas fotos, porque aqui tudo eh tao lindo e arrumado que eh impossivel sair sem a minha camera.

Enfim, em breve escreverei mais….pois agora estah no horario da siesta (falo disso mais tarde), que eh um horario em que tudo fecha (mais ou menos das 2h da tarde ateh as 4h30 da tarde) e daqui a pouco, quando as lojas abrirem de novo, vou com as meninas aqui do alojamento num centro comercial para tentar encontrar a minha mochila de viagem…espero que encontre…

Desculpem se escrevi meio tontamente..hehe Vou melhorando aos poucos…

Até uma próxima!!





Em solo espanhol.

4 04 2010

Caros, já me encontro na terra do vinho e da tourada. Vou relatando aqui minhas pròximas semanas, ok?

Hasta la vuelta!