A viagem latinoamericana em fotos e música

10 07 2014

Oi, gente,

Depois de muito tempo, finalmente consegui reunir algumas das imagens feitas durante a viagem para a Bolívia e o Peru e montar um pequeno vídeo com elas. Escolhi a música Latinoamérica da banda Calle 13. Essa banda de Porto Rico me emocionou muito com essa música. Sempre que a escuto ou vejo o maravilhoso clipe que fizeram, fico tocada. E não é exagero dizer que foi por causa desse vídeo que decidi ir viajar.

A minha intenção era fazer um pequeno resumo do que vi. Compartilho aqui com vocês!

Espero que gostem! =)

 





The Commitments

21 05 2013

Ontem tive a sorte de assistir ao show da Jesuton, uma das apresentações da Virada Cultural, em São Paulo. Essa cantora inglesa de 27 anos veio parar no Brasil para ganhar a vida, depois de cursar Ciências Sociais, viajar para a América Latina e conhecer o atual marido em Cusco, Peru. Começou a cantar nas ruas do Rio de Janeiro e graças a vídeos postados na internet, foi descoberta e trocou as ruas pelos palcos. Gravou um CD e estava com uma canção cover na trilha sonora da última novela global das oito (ou das nove). Vale conhecer o vozeirão da mulher que canta também em português. Foi lindo!

Bom, falei tudo isso porque além do show ter sido ótimo, a Jesuton cantou uma música que conheci quando assisti ao filme The Commitments – Loucos pela fama (1991) há alguns anos, confiram o trailer abaixo. O filme se passa na Irlanda e conta a história de alguns amigos que decidem montar uma banda de soul music. Além de ser divertidíssimo, a narrativa conta com uma trilha sonora maravilhosa, que os atores/músicos interpretam muitíssimo bem! Depois de ver várias vezes o filme nas reprises do Cinemax ou da HBO, não me lembro mais, comprei a trilha sonora e ouvi sem parar. Ah! e uma das músicas mais lindas do filme, e a tal que a Jesuton cantou também ontem, é a Try a little tenderness

Pesquisando um pouco mais sobre o The Commitments ontem acabei descobrindo que em 2011 se comemorou 20 anos do filme com um grande show feito por todo o elenco em Dublin, na Irlanda. Muito emocionante!

No filme, o músico Andrew Strong, que interpretou o vocalista da banda, impressiona com sua interpretação, que voz!! Bom, ele continua cantando por aí (agora já sem os cabelos compridos da época), mas com a mesma potência ao microfone. Acabei baixando um CD dele, não resisti.

Outro músico que se destacou após o filme, e quando descobri fiquei chocadíssima, foi o meu querido Glen Hansard (já falei dele aqui). Gente, ele era MUITO feinho e estranho! Como pode a pessoa dar um upgrade tão impressionante com apenas alguns anos? Olha a fotinho dele aí embaixo (o ruivo à esquerda).

MCDCOMM FE005

12447924806400

Bom, para quem não conhece o filme, eu super recomendo!

Até!





Boas letras, melodias contagiantes, performance respeitável. Não tem erro.

4 03 2010

Existem muitas razões para assistir a um show ao vivo. Muitas outras mais para assistir a um show ao vivo num estádio de futebol. Independente de quais sejam elas, para mim, a principal é poder sentir o que o músico está sentindo ali no palco e ver como ele consegue se envolver com a sua música e passá-la adiante.

É muito notável quando uma banda chega a um estágio elevado de cumplicidade com seus integrantes e atinge uma intensidade única em suas músicas. Eles cantam, gritam, fecham os olhos e tocam como se aquela fosse a última vez. Isso vale para bandas e cantores de qualquer proporção. Pode ser em um show com os amigos da Seamus num domingo à noite num barzinho de esquina, em Pindamonhangaba, ou com os ingleses do Coldplay no estádio do Morumbi, em São Paulo, numa terça-feira.

Muitas vezes, gosto apenas de olhar e imaginar qual a sensação daqueles que estão do lado de lá. Já toquei algumas vezes por aí, mas nunca com esse grau de descontrole puro. Por isso que gosto de tentar perceber o que é sentido durante um show, como por exemplo do Coldplay, nessa semana. O que é estar à frente de uma platéia de cerca de 60 mil pessoas de um país que não é o seu, cantando músicas escritas por você, nas quais você acredita e se importa? Acho isso extremamente surreal. Emoção demais para uma pessoa só, eu não agüentaria, iria chorar horrores, certeza.

Enfim, achei o show muito bom, mas infelizmente o som para a arquibancada não foi bem o esperado. Abafado e um pouco baixo, prejudicou aqueles momentos em que você queria gritar mais alto que todo mundo e mesmo assim continuar não sendo ouvido, porque, afinal, você não canta tão bem assim. Quando “Fix You”, “Shiver”, “Lovers in Japan” e “The Scientist” tocaram, eram os momentos, sabe? Mas tudo bem, tentei não parecer uma louca, nem nada parecido…

É curioso como Chris Martin e sua turma conseguem conquistar as pessoas com quase nada de arrogância ou tiques a la rock star – o que para qualquer mortal com sotaque britânico já é um GRANDE feito. O vocalista falou algumas palavras em português, como de praxe, e sempre quando usava o inglês, pedia desculpas, mostrando certo desconforto, como se realmente quisesse ser entendido e falar a língua local. Não tem como não achar os caras, “Os caras”. E para completar, entregaram CDs grátis no final do show. Um lindo CD com capinha de borboleta, contendo 9 músicas ao vivo. Tudo o que você pensa é “COMO assim? Que muito legal tudo isso!”. E é mesmo.

Daí bate aquela vontade de você conseguir fazer isso um dia, chegar a esse nível, entende? É por essas e outras que não tem coisa melhor do que ir a um show e ter todas essas sensações te preenchendo a cada faixa tocada. Você sai renovada, os músicos saem renovados e a vontade é de querer ir para o próximo e sentir tudo isso de novo.

P.S. – No próximo, eu vou na pista. Ah, vou.