Medicina sem fronteira.

7 11 2009

Trabalho na Amazônia traz experiência profissional e muita saudade de casa para o jovem Filipe, médico recém formado.

Estavam todos lá. A mãe, o pai, a irmã e a namorada. O aeroporto não poderia estar mais completo para Filipe. No dia que embarcava para a Amazônia, com toda esperada ansiedade e correria para arrumar suas coisas, estava feliz e triste ao mesmo tempo. Afinal, ele teve pouco meses entre a formatura na faculdade de medicina, a prova para ingressar na Marinha e a viagem para Manaus.

Era cedo, mas mesmo assim o aeroporto de Congonhas já tinha bastante movimento de pessoas, malas e despedidas. Muitas despedidas. Entre estranhos vindos de tantas partes do país, o aeroporto mantém seu ar frio. Diversos anúncios e avisos, lojas de roupas, de produtos importados ou apenas cafeterias e lanchonetes. Ambiente um pouco impessoal para reunir tantas despedidas. Mas o que faz dele o que é são as pessoas, e para Filipe, elas não poderiam estar em outro lugar.

Aqueles que mais amava estavam ali para que o rapaz pudesse distribuir abraços, lágrimas e saudade entre todos. O pai, Wilson, trazia seus óculos escuros, para quem sabe disfarçar as lágrimas que não hesitaram em cair. Já Marina, não desgrudava da mão do namorado, em uma tentativa de poder aproveitar ao máximo o momento que demoraria a se repetir. Seu rosto inchado entregava que também havia deixado algumas lágrima irem embora.

Manaus 09 054

Filipe nunca imaginou trabalhar camuflado. A roupa que hoje veste é uma mistura de variados tons de verde, uns mais fortes, outros mais fracos. Nada de roupa social, jaleco branco e sapato. Para ser médico da Marinha, no meio da floresta amazônica, o pé tem a proteção de uma grossa bota marrom e o corpo, a cobertura de um pesado uniforme militar.

O rapaz forte e alto, dos cabelos escuros e curtos, nascido no interior de São Paulo, tem a fala calma, porém cheia de determinação. Com a companhia dos pais, enfrentou os desgastantes seis anos da faculdade de Medicina, em Taubaté, no Vale do Paraíba. Com a conclusão do curso, em 2008, a vida tomou novo rumo. Nunca havia morado sozinho e talvez por isso mesmo, optou pela oportunidade que apareceu de forma um tanto inesperada.

Seu Wilson recebeu a notícia da mudança do filho caçula em uma terça-feira de dezembro, dia dezesseis. Depois de ficar mudo por alguns instantes, disse “Mas como assim Manaus?”. O pai sempre foi muito apegado a Filipe e, a princípio, demorou a aceitar a nova fase da carreira do recém-formado Dr. Alborghetti. “Sou muito emotivo e a gente fica com o coração pequeno, mas tem que dar força para ele. Não é moleza, tem que segurar a onda”, diz.

Até mesmo o filho levou certo tempo para digerir a ideia. Sempre houve o pensamento de bater as asas, sair do conforto da vida em família e adquirir a independência, mas não tinha como prever que seria para tão longe. “Foi complicado, teve muita conversa, tentei passar bastante tempo junto com as pessoas que eu ia deixar logo mais. Eu tinha esse receio, essa preocupação de como seria a vida nova que eu ia começar”, diz Filipe.

9 cópia

O palmeirense doente aprendeu a lidar com a saudade como pode, entre um telefonema e outro e algumas trocas de emails pela internet, tenta minimizar a distância e a falta que a família e a namorada, Marina, fazem. Mesmo assim, não é a mesma coisa, “esse contato virtual é bem difícil, falta a presença física das pessoas, o contato humano…”, desabafa.

Ao saber da notícia que realmente fora convocado para ir à Amazônia, a primeira ligação do recém-formado médico Filipe foi para o pai. Era dezembro e já fazia bastante calor tanto em São Paulo, onde estava Filipe, como na cidade mineira de Pouso Alegre, lugar onde Wilson trabalha em uma empresa de vidros.

A ligação foi um tanto quanto repentina. Apesar de toda a família Alborghetti já saber da possibilidade de viagem do caçula para um ano de trabalho com a Marinha, o destino ainda não estava definido. E logo para o norte do país, tão longe.

Wilson conta que o caçula desde pequeno já sonhava com a profissão. Tinha até especialização escolhida: queria ser cirurgião. Montava e desmontava os brinquedos que tinha, para assim poder consertá-los, curá-los. Um ensaio do que faria no futuro, mas não mais por brincadeira. “A gente nunca induziu a uma profissão, sempre deixamos à vontade. E ele escolheu essa área, que é de bastante responsabilidade e cuidado”, diz o pai orgulhoso.

A descendência italiana faz com que a família seja bastante unida e queira, sempre que possível, passar um tempo junto. “O importante é não perder o vínculo familiar, isso não tem o que paga”, diz o pai de Filipe.

papagaio

O médico de roupa camuflada trabalha com o batalhão dos fuzileiros navais e, entre populações ribeirinhas e indígenas, já pode perceber, nesse pouco mais de seis meses, que a precariedade da realidade da saúde no país não é exagero. “As pessoas não tem energia elétrica, saneamento básico. E por mais que a gente saiba das condições do estado de São Paulo, aqui é pior. Muitas vezes, os pacientes são atendidos ao ar livre, com a luz do dia, pois não temos condições de atender à noite. Quando existe essa opção, é com o uso de velas”, diz.

Filipe aprendeu a trabalhar com as adversidades, como a falta de recursos para conseguir exames e remédios para seus pacientes, e também a confiar na bagagem adquirida durante a faculdade e a recente experiência profissional para atuar em um das mais belas paisagens do mundo. “As pessoas não têm recurso nenhum para conseguir um exame, um remédio.  Você tem que trabalhar com hipóteses, acreditar na sua intuição para tratar e orientar essas pessoas da melhor forma possível”, diz.

Ao final do mês de janeiro de 2010, quando completar um ano de Marinha, Filipe deseja voltar para tentar as concorridas provas de residência em diversos hospitais do país. O rapaz pretende entrar em cirurgia-geral e depois escolher alguma outra especialização que ainda não decidiu.

Até lá, o jovem médico enfrentará mais uma despedida, talvez não tão impactante quanto a primeira, do começo do ano. Mas com toda certeza, ela deixará as marcas de todas as experiências e situações vividas no quente clima amazônico. E como diz o pai, seu Wilson, “Filho é igual a pássaro. Cada um tem que voar e fazer a sua vida”. E assim, Filipe vai fazendo a dele.

SDC11598

Anúncios

Ações

Information

One response

17 11 2009
Felipe

Gostei no nome do rapaz.

E você nunca mais vai escrever aqui?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: