Que você não se esqueça de mim.

6 12 2008

Camila Braga

Até onde você vai para permanecer na mente de alguém? Por ditado popular convencionou-se que antes de morrer você deve escrever uma árvore, plantar um filho e ter um livro – não necessariamente nessa mesma ordem, mas acho que deu para ter uma idéia. A tentativa de produzirmos bens que amplifiquem nossa própria existência é algo tentador. Será que é possível atingir meios eficazes para não se passar despercebido pelo mundo?

Claro que as opções são infinitas – e que ninguém desconfie das peripércias da mente humana! Como bem sabemos, tem gente por aí que opta por medidas bem mais extremas, por assim dizer, para poder alcançar o objetivo do não-esquecimento, como por exemplo assassinar alguma personalidade mundial. História que aconteceu com Mark Chapman, o norte-americano que, por conta de matar o beatle John Lennon, hoje tem uma descrição no Wikipédia e um filme-documentário que conta sobre sua façanha, The Killing of John Lennon” (Inglaterra, 2006). “Eu era ninguém até que matei o maior alguém da Terra.” Chapman foi condenado à prisão perpétua. Eternidade finalmente alcançada?

Em terrenos menos dramáticos, encontramos no esporte atletas que buscam a superação a cada novo recorde quebrado, numa espécie de ciclo vicioso. Nas Olimpíadas de Pequim 2008, o nome do nadador Michael Phelps ficou mais do que conhecido, em função da impressionante conquista de suas oito medalhas de ouro. A pergunta é: a rígida rotina de trabalho e os desgastantes treinos têm como objetivo “apenas” uma conquista pessoal, ou seria uma forma de se perpetuar no imaginário coletivo do esporte e das pessoas?

A partir de uma certa idade, o reconhecimento e o orgulho da mamãe parecem não ser mais suficientes; é aí que se corre atrás de fazer algo para que o mundo – ou pelo menos o mundo que não englobe a sua família – saiba que você passou por ele, e que a sua marca foi deixada ali. Se não for possível conseguir por um feito seu, também vale um caminho alternativo, como tentou o nadador sérvio Milorad Cervic, ao disputar uma final com o norte-americano: “Seria bom para o esporte se Phelps perdesse uma prova”. Um pouco menos honrado, mas nada mais lógico, se você não consegue fazer seu nome como um destruidor de conquistas, pelo menos, seja aquele que freia mais uma vitória – e seja conhecido por isso (lembra do ex-padre irlandês que atacou o maratonista Vanderlei Cordeiro de Lima, nas Olimpíadas de Atenas? Claro que lembra!). Um pouco anti-herói. Só um pouco.

Sentimento parecido deve ter sentido Andrada, o goleiro argentino do Vasco que estava cara-a-cara com Pelé, na hora que o Rei bateu o pênalti e completou seu milésimo gol. Se Andrada tivesse segurado aquela bola, em pleno Maracanã, seu nome iria entrar para a história como o goleiro que impediu o gol de número mil do Rei do Futebol.

Como adoramos classificar e nomear todo e qualquer evento, acontecimento ou situação, se você, meu caro, tende a sentir um certo friozinho na barriga só de pensar na idéia de ser esquecido ou ignorado, saiba que há um nome para tal pensamento: atazagorafobia. Se agorafobia pode ser entendida como uma certa ansiedade em determinados lugares e situações, com a junção do sufixo “ataza” concluímos que, ao atazanarmos tudo e todos que vemos pela frente, encontramos uma maneira de estarmos presentes e não ficarmos sozinhos, ansiosos e esquecidos. O ser-humano é realmente uma engenhoca brilhante, não?

Anúncios

Ações

Information

2 responses

6 12 2008
Felipe

É. Brilhante mesmo. Mas cabem muitos outros adjetivos – bons e ruim, talvez mais ruins do que bons – aos seres humanos. Acho que o pior deles é o individualismo, a partir dele se desencadearam as piores tragédias da humanidade, tem sempre alguém fudendo com a vida de outras pessoas por conta de um único propósito pessoal (de assassinatos ao descaso com o meio ambiente).

Mas também acredito que o melhor do ser humano é *tentar* ser coletivo, tentar deixar seus anseios pessoais e pensar nos outros, alguns mais próximos como uma extensão do “eu”, e outros mais distantes, até desconhecidos, com um sentimento de simples compreensão por ele também ser humano.

8 12 2008
yohanandrade

Uma vez, ouvi uma frase muito triste: “Você, que não deixou filhos… É como se nunca tivesse existido!”. Eu, justamente que não pretendo procriar… A frase pode até fazer sentido, mas não posso concordar que somente a prole é um vestígio da existência de alguém.
Mas, aliás, por que queremos tanto ser lembrados, né?????

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: